CRESCIMENTO INFANTO-JUVENIL DEVE SER ACOMPANHADO

CRESCIMENTO MENINAS

28 de setembro de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA – NUTRIÇÃO: DIETA SAUDÁVEL PODE PROMOVER A SAÚDE ÓSSEA EM MULHERES NO PERÍODO DE ENVELHECIMENTO,

ENTRETANTO DEVEMOS PRESTAR ATENÇÃO DE QUE A OSTEOPENIA E OSTEOPOROSE, PODE COMEÇAR NA FASE INFANTO JUVENIL, CASO NÃO SEJA ACOMPANHADA DE CUIDADOS ADEQUADOS PRECOCEMENTE. O SEGREDO É TOMAR ATITUDE PREVENTIVA, POIS SE TRATA DE DOENÇA MUITO FREQUENTE E GRAVE.

Com o aumento da expectativa de vida no mundo, a osteoporose tornou-se um grave problema de saúde pública, onde a prevenção passou a ser essencial para que os idosos vivam com mais qualidade de vida. A prevenção da osteopenia e  osteoporose deve ter início desde a primeira infância e deve permanecer durante a vida adulta e terceira idade ou melhor idade. A fratura por osteoporose tem elevada prevalência e representa importante problema de saúde pública no Brasil, especialmente a de quadril, cuja incidência aumenta com a idade e está associada à deterioração da qualidade de vida e à maior mortalidade. Existem diversos fatores de risco associados à baixa massa óssea como ausência de terapia hormonal após a menopausa, baixa exposição solar, consumo de bebidas alcoólicas, ingestão inadequada de cálcio, sedentarismo, história familiar de osteoporose, tabagismo, baixo peso e baixa estatura, idade avançada, baixa escolaridade, menarca tardia, menopausa precoce e menor índice de massa corporal. Esses fatores de risco refletem o envolvimento de diversos aspectos na determinação do maior risco de fratura, como hereditariedade (história familiar de fratura), hábitos de vida (atividade física, tabagismo e ingestão alimentar), qualidade de vida, quedas e o envelhecimento propriamente dito, com deterioração da qualidade óssea, desencadeando a osteopenia e osteoporose.
Outro fator que pode tornar-se prejudicial à saúde óssea é o consumo dietético inadequado de cálcio, pois uma das principais deficiências nutricionais no climatério refere-se a este nutriente. Este fato compromete a mineralização e a manutenção óssea, promovendo, dessa forma, o agravamento da osteoporose. Um consumo adequado de cálcio que atende as recomendações diárias está em torno de 1.000 mg/dia, e com o avançar da idade as necessidades aumentam para 1.200 mg/dia. Sobre o consumo de vitamina D, a deficiência está relacionada com a diminuição da absorção do cálcio e densidade mineral óssea, tendo como conseqüência a osteomalácia e futuramente a osteoporose. O consumo de vitamina D/dia, varia de pessoa para pessoa e deve ser orientada por endocrinologista,  mediante avaliação cuidadosa. A exposição ao sol desencadeia a produção de vitamina D na pele, mas pode não ser somente esta atitude importante o suficiente para adequação da quantidade necessária ao organismo humano. Alguns alimentos também representam uma fonte desta vitamina.
Portanto, estar atento a todos estes fatores de risco e promover a prevenção, oferecendo o aporte adequado de cálcio e vitamina D e incentivando a prática de atividade física, desde a caminhada, corridas até a musculação são os melhores meios para que os adultos de hoje tenham uma qualidade de vida melhor na terceira idade  ou melhor idade.



Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930


Como Saber Mais:
1. Quais são os alimentos fontes de cálcio e qual a quantidade recomendada por dia...

2. A prevenção da osteoporose deve ter início desde a primeira infância...
http://oseoporosecontrolada.blogspot.com

3. Quais são os fatores de risco associados à baixa massa óssea...

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Barclay L.; Healthy Diet May Promote Bone Health in Aging Women. American Journal Clinical Nutrition, 2011; Pinheiro, M. M.; Ciconelli, R. M.; Jacques, N.; Genaro, P. S.; Martini, L. M.; Ferraz, M. B. O impacto da osteoporose no Brasil: dados regionais das fraturas em homens e mulheres adultos -The Brazilian Osteoporosis Study (BRAZOS). Revista Brasileira de Reumatologia 2010;50(2):113-27.










Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br


Google Maps:

http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.
Seguir no Google Buzz


4 de abril de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE,

CUJO PRINCIPAL OBJETIVO É MELHORAR A FUNÇÃO E QUALIDADE DE VIDA NA VIDA ADULTA. PRESTE MUITA ATENÇÃO NA OSTEOPOROSE, POIS É MUITO SÉRIA.

A importância da revisão dos pacientes com osteoporose é porque sofrem com a morbidade e mortalidade como resultado de fraturas. O número de pessoas em risco de fraturas aumenta com o envelhecimento da população. Aqui vamos abordar estratégias preventivas que podem ser usadas ​​para diminuir o risco de pequenos traumas e fraturas. Recentes descobertas, modificações dietéticas e de estilo de vida, ajudam a identificar os indivíduos mais susceptíveis de se beneficiar de intervenções farmacológicas, componentes importantes de prevenção da osteoporose. Atualmente, terapias disponíveis para osteoporose e prevenção de quedas, devem ser utilizadas em pessoas com risco aumentado de fratura. O objetivo final da implementação de um programa de prevenção da osteoporose múltipla é melhorar a função e qualidade de vida na vida adulta. A osteoporose é uma doença esquelética caracterizada por baixa massa óssea e deterioração da micro arquitetura do tecido ósseo, levando a um aumento do risco de fraturas. Um diagnóstico da osteoporose é baseado tanto na presença de uma fratura por trauma mínimo (ou seja, uma fratura que ocorre a partir de um passo) ou a definição da OMS de osteoporose é de densidade mineral óssea (DMO) da coluna, quadril ou pulso de 25% mais abaixo da média de referência. Para a mulher de 50 anos de idade a média de fraturas por fragilidade óssea é de 1 a 2 por ano, enquanto para o homem na mesma faixa etária é de 1 por ano.
A crescente necessidade de prevenção da osteoporose é destacada pelo envelhecimento da geração dos baby boomers (são as pessoas nascidas nos Estados Unidos entre 1946 e 1964), a era dos computadores e mais atividades sedentárias para as crianças e a disponibilidade de um repertório de expansão de intervenções farmacológicas que diminuem o risco de fratura. A prevenção da osteoporose pode ser primária, que é prevenir que ocorra a perda óssea, secundária, em que a progressão da perda óssea é inibida para evitar o desenvolvimento de fraturas e terciário, em que pacientes com fraturas preexistentes são tratados para prevenir fraturas subseqüentes.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologia – Medicina Interna 
CRM 28930 


Como Saber Mais:
 

1. A importância da revisão dos pacientes com osteoporose é porque sofrem com a morbidade e mortalidade como resultado de fraturas...
http://oseoporosecontrolada.blogspot.com

2. O número de pessoas em risco de fraturas aumenta com o envelhecimento da população...
http://osteoporose2.blogspot.com

3. Atualmente, terapias disponíveis para osteoporose e prevenção de quedas, devem ser utilizadas em pessoas com risco aumentado de fratura...
www.drcaiojr.site.med.br



AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Curr Opin Rheumatol. 2011, 23 (2) :203-210. © 2011 Lippincott Williams & Wilkins.










Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
Seguir no Google Buzz


4 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: OSTEOPOROSE- AVALIAÇÃO DA SAÚDE ÓSSEA EM DOENÇAS DA DIFERENCIAÇÃO SEXUAL.

Os esteróides sexuais são os principais reguladores do crescimento esquelético, maturação e densidade mineral óssea em ambos os sexos. Pessoas com distúrbios de desenvolvimento sexual podem apresentar problemas no crescimento normal dos ossos na estrutura e na densidade mineral óssea, porque a secreção anormal dos esteróides sexuais ou sua ação pode se alterar. A síndrome da insensibilidade androgênica, em várias ocasiões agiu diminuindo a densidade mineral óssea (osteoporose). 
É evidente a redução da densidade mineral óssea (osteoporose) em pacientes com gônadas removidas ou não e mais tarde se torna mais evidente, principalmente quando não se faz terapia de reposição hormonal. Grandes prejuízos da densidade mineral óssea (osteoporose), não foram observados em pacientes com síndrome parcial da insensibilidade androgênica, por exemplo, ou quando as gônadas não são removidas ou quando se faz terapia de reposição hormonal. 
Na síndrome de Turner, a diminuição da densidade mineral óssea (osteoporose), pode resultar de ações combinadas de deficiência de estrógeno, ossos pequenos, geometria óssea alterada, deficiência da camada cortical (camada externa) do osso, e perda da parte trabecular (porção interna) do osso. Está claro, que a terapia de reposição hormonal é importante para preservar a densidade mineral óssea e aumentar o volume do osso trabecular. No geral, a saúde óssea representa um assunto relevante no controle da saúde do paciente com doenças da diferenciação sexual

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologia 
CRM 20611


Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 

Como Saber Mais:
1.É importante a terapia de reposição hormonal em pessoas com doenças da diferenciação sexual... 

http://reposicaohormonal2.blogspot.com/

2.Se não se fizer terapia de reposição hormonal em pacientes com doenças da diferenciação sexual, elas têm maior risco de osteoporose...

ttp://osteoporosecontrolada.blogspot.com
3.A falta de reposição hormonal pós-menopausa interfere na saúde óssea mesmo de uma mulher normal... 
http://controlandomenopausaeclimaterio.blogspot.com 

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
 


Referências Bibliográficas:
Bertelloni S, Baroncelli GI, Mora S. - Epub 2010 Department of Obstetrics, Gynecology and Pediatrics, II Pediatric Division, Azienda Ospedaliero-Universitaria Pisana, Pisa, Italy. 











Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br


Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.
Seguir no Google Buzz


22 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A UTILIZAÇÃO DO HORMONIO DE CRESCIMENTO EM ADULTOS, SÓ FOI VIABILIZADA A PARTIR DO DESENVOLVIMENTO DO DNA – RECOMBINANTE,

PRINCIPALMENTE PARA OSTEOPOROSE POR DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIOS, ONDE SE PERCEBEU A GAMA IMENSA DE OUTROS BENEFÍCIOS QUE A EXPERIÊNCIA MUNDIAL ACABOU CONSAGRANDO. QUANDO DO INÍCIO DA DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO NA IDADE ADULTA DEVE-SE INICIAR O TRATAMENTO DA REPOSIÇÃO DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO HGH ENTRE OUTROS. NO CASO DE INDICAÇÃO POR DEFICIÊNCIA, COM A FINALIDADE DE SE EVITAR AS CAUSAS QUE LEVARAM A DOENÇAS MAIS COMPLEXAS NA FASE ADULTA, COMPLICAÇÕES QUE A DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO, HGH PODE OCASIONAR, TAIS COMO, AUMENTO DOS RISCOS DE FRATURAS POR OSTEOPOROSE , PIORA DA COMPOSIÇÃO CORPORAL, DA DISLIPIDEMIA E QUALIDADE DE VIDA .

O que se observou foi que, o início da deficiência do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina), no adulto ganhou evidência, possivelmente, com o aumento da morbidade e mortalidade. Foram realizados vários estudos sobre as conseqüências da deficiência do hormônio do crescimento (HGH - somatotrofina) no adulto e os benefícios da reposição do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina), em pacientes que apresentam deficiência do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina)Devido à grande variabilidade na resposta individual à terapêutica de reposição do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina) com base na idade, sexo e composição corporal, recentemente um trabalho o quanto os pacientes se beneficiam com a terapêutica de reposição do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina)Sabemos que não podemos nos esquecer dos fatores genéticos , desta grave doença , no caso principalmente osteoporose, mas existem outras doenças e fatores que estão intimamente ligados ao problema; durante um longo tempo, estudos prospectivos têm demonstrado que a terapia de reposição do hormônio de crescimento (HGH-somatotrofina) trás resultados benéficos para a composição corporal, dislipidemia, colesterol total, bom colesterol HDL, mal colesterol , LDL, triglicérides (quilomicrons, micro esferas de gorduras),  a densidade mineral óssea e qualidade de vida. Diminuindo os riscos de fraturas por diminuição da densidade mineral óssea (osteoporose) e de mortalidade por problemas cardiovasculares.
A reposição do hormônio de crescimento (HGH - somatotrofina) em adultos é importante porque também melhora a cognição (memorização, raciocínio, intelectualidade) e melhora muito a qualidade de vida, mas o endocrinologista terá a preocupação de avaliar clinicamente a história família, para descartar com outros exames mais apurados os fatores genéticos da osteoporose , que são frequentes .

Dr. João Santos Caio Jr 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.O aumento da morbidade e mortalidade trouxe mais evidência para a reposição de hormônio de crescimento em adultos que têm deficiência de  hormônio de crescimento... 
http://hormoniocrescimentoadultos.blogspot.com

2. A terapêutica de reposição do hormônio de crescimento (HGH-somatotrofina) em adultos trouxe benefícios para os adultos que apresentam deficiência do hormônio de crescimento (HGH-somatotrofina)...              
http://deficienciahormonal.blogspot.com

3.Se criança obesa tiver deficiência do hormônio de crescimento (HGH-somatotrofina), se beneficia com reposição do hormônio de crescimento (HGH-somatotrofina)...                          
http://obesidadeinfantojuvenil2.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
Mathioudakis N , R Salvatori . Divisão de Endocrinologia e Metabologia, Johns Hopkins University School of Medicine, em Baltimore, Maryland 21287. EUA.








Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Seguir no Google Buzz


19 de dezembro de 2010

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: OS BENEFÍCIOS NA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA (DMO) EM ADULTOS JOVENS,

QUE APRESENTAVAM DEFICIÊNCIA GRAVE DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH) QUANDO CRIANÇAS E INICIARAM ESTA REPOSIÇÃO DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH) LOGO CEDO NA INFÂNCIA EVITANDO UMA FRAGILIDADE MINERAL ÓSSEA PRECOCE. ENTRETANDO, DIVERSAS PESQUISAS TEM CONFIRMADO, QUE ESTE PROCESSO SERÁ MAIS GRAVE EM APRESENTAR OSTEOPOROSE NA PÓS MENOPAUSA. 

Quando se faz e reposição do hormônio de crescimento em crianças que apresentam grave deficiência do mesmo desde cedo, a descontinuidade da reposição do hormônio de crescimento (HGH) após a conclusão do crescimento linear, pode afetar a densidade mineral óssea em adultos jovens, que na infância apresentavam  deficiência do hormônio de crescimento (HGH) e faziam. Aqui analisaremos o impacto do tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) no osso em jovens adultos que na infância apresentavam deficiência do hormônio de crescimento (HGH) e começaram a reposição desde cedo.A densidade mineral óssea foi avaliada na coluna lombar (L2-L4), fêmur e corporal inteiro, sendo que foi medida antes e após 24 meses em adultos jovens com idades entre 18 a 25 anos que apresentavam deficiência grave do hormônio de crescimento na infância e foram tratados com reposição do hormônio de crescimento (HGH) desde o início da infancia.Os jovens adultos foram tratados de forma aleatória, sendo que alguns receberam o hormônio de crescimento (HGH) e outros receberam uma substância inócua.
Após os 24 meses de tratamento, a densidade mineral óssea da coluna lombar aumentou significativamente nos pacientes tratados com o hormônio de crescimento (HGH) do que naqueles que receberam a substância inócua. O hormônio de crescimento (HGH) também teve um efeito positivo significativo na densidade mineral óssea do fêmur. A densidade mineral óssea (DMO) do corpo inteiro manteve-se inalterada desde o início. Nos adultos jovens que apresentavam deficiência grave do hormônio de crescimento na infância e foram tratados com reposição do hormônio de crescimento (HGH) desde o início da infância, há um efeito benéfico do tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) contínuo na densidade mineral óssea na vida adulta.Vinte e quatro meses de tratamento com o hormônio de crescimento (HGH) em jovens adultos foi associado com um maior aumento de na densidade mineral óssea da coluna lombar em comparação com os controles, que são aqueles que fizeram uso de substância inócua. 
Este vem confirmar um achado clinico, em que a osteoporose fica estável quando utilizado o HGH-hormonio de crescimento, somatotrofina, que independente desses benefícios, melhora a musculatura, turgor e elasticidade da pele, bem como a cognição,raciocínio e memória, melhora do psiquismo, e musculatura cardíaca.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.Pode-se utilizar HGH hormônio de crescimento em idosos,caso tenha deficiência... 
http://longevidadefutura.blogspot.com/


2.O uso do HGH melhora a função cerebral na vida adulta...
http://hormoniocrescimentoadultos.blogspot.com/

3.A obesidade controlada ou descontrolada pode levar a dificuldade de locomoção...
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com/


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Referências Bibliográficas:
GS Conway , Szarras Czapnik-M , K Racz , Keller A , Chanson P , M Tauber , M Zacharin ; 1369 GHD GHDA Departamento de Endocrinologia e Diabetes, Hospitais da Universidade College London, 250 Euston Road, London NW1 Eur J Endocrinol. 2009 Jun; 160 (6) :899-90.










Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Seguir no Google Buzz


27 de outubro de 2010

ENDOCRINOLOGIA - NEUROENDOCRINOLOGIA: OSTEOPOROSE UMA DOENÇA FREQUENTE, INCAPACITANTE

QUE PODE SER APENAS COMPENSADA, ENTRETANTO PODEMOS EVITA-LA DE FORMA PREVENTIVA, OU ESTABILIZA-LA SEM DEIXA-LA PROGREDIR PARA UMA SITUAÇÃO DE OSTEOPOROSE GRAVE.

A OSTEOPOROSE É UMA DOENÇA METABÓLICA QUE LEVA À CARÊNCIA DE CALCIO NOS OSSOS. 


AFETA PRINCIPALMENTE MULHERES NA PÓS - MENOPAUSA CAUSADA PELA FRAGILIDADE DOS OSSOS DEVIDO À AUSÊNCIA DO HORMÔNIO FEMININO QUE FAZ COM QUE OS OSSOS FIQUEM POROSOS, 10 MILHÕES DE BRASILEIROS SOFREM DE OSTEOPOROSE SENDO QUE 3 DE CADA 4 DOENTES SÃO MULHERES E DESTAS 1 EM CADA 3 TEM MAIS DE 50 ANOS E 75% DOS DIAGNÓSTICOS SÃO FEITOS APÓS A PRIMEIRA FRATURA. 2,4 MILHÕES DE FRATURAS DECORRENTES DE OSTEOPOROSE OCORREM NO BRASIL ANUALMENTE E 200.000 PESSOAS ACABAM MORRENDO EM CONSEQUÊNCIA DESTAS FRATURAS.OS LOCAIS DE FRATURAS MAIS FREQUENTES SÃO A COLUNA, O FÊMUR E O PUNHO E DESTAS A MAIS PERIGOSA É A DO COLO DO FÊMUR. É TAMBÉM DEVIDO A OSTEOPOROSE QUE AS PESSOAS PERDEM ALTURA COM A IDADE, COM PIORA SIGNIFICATIVA DA QUALIDADE DE VIDA, PORTANTO VOCÊ DEVE SE PREVENIR, PORTANTO TRATE!

Envelhecer bem é o ideal de todo ser humano e depende muito dos hábitos mantidos durante toda a vida. É evidente que esse é um processo irreversível, mas este não acontece da mesma forma para todas as pessoas, por isso, há uma grande preocupação com a qualidade de vida e promoção da saúde para que se alcance uma velhice saudável, produtiva e feliz. Duas especialidades médicas estão envolvidas neste processo. São elas: Gerontologia, Geriatria.


Dr João Santos Caio Jr
Endocrinologista e Neuroendocrinologista
CRM: 20611

Dra Henriqueta V.Caio
Endocrinologia e Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Conheça mais sobre os nutrientes essências para uma qualidade de vida melhor e ajudar ao mesmo tempo a prevenir da esteoporose...

2. As consequências da esteoporose são em geral gravas...

3. O que a depressão tem haver com aceleração da diminuição ossea...
Referências Bibliográficas:
FONTE: NA ATLAS OF OSTEOPOROSIS, PGS 15, 16, 17 – A REVIEW OF OSTEOPOROSIS - J.C. STEVENSON AND M.S. MARSH – THE PARTHENON PUBLISHING GROUP - 











Contato:
Fones: (11)5572-4848/(11)5087-4404(11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM

Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Seguir no Google Buzz